Orbán fala da vocação dos países do V4 na Europa: ‘colocar os crimes e consequências do socialismo internacional ao lado dos crimes e consequências do Nazismo’

Orbán fala da vocação dos países do V4 na Europa: ‘colocar os crimes e consequências do socialismo internacional ao lado dos crimes e consequências do Nazismo’

Em um artigo publicado no jornal Magyar Nemzet (A Nação Húngara) em 18 de fevereiro, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, cuja pátria viveu com particular crueldade sob o regime opressor do comunismo, afirma seu desejo de ver o anticomunismo como parte dos valores fundamentais da União Europeia, exatamente como o antinazismo. Ele acredita que deve ser o bloco ao qual pertence seu país, o antigo Pacto de Varsóvia, quem conscientizará seus parceiros ocidentais do horror da ideologia por trás do socialismo internacional.

Orbán tornou este apelo explícito por ocasião do trigésimo aniversário da formação da aliança de Visegrado (V4), grupo de países do antigo bloco comunista integrados na União Europeia: Hungria, Polônia, República Checa e Eslováquia.

No artigo, Orbán confessa que a “missão tradicional” de seus países se tornou impossível enquanto as tropas soviéticas ocupavam seu solo. Ele escreve que sofreu a repressão comunista em sua própria carne nos anos imediatamente anteriores à libertação da Hungria do jugo soviético.

Já livres do domínio comunista após a decomposição do bloco comunista, e após superar a estagnação econômica que representou a economia planejada do ‘socialismo real’ e iniciar o caminho da prosperidade, esses mesmos países olham para seus parceiros europeus e para a América do Norte com olhos críticos e alertam sobre os sinais de uma tendência perigosa.

Eles perceberam, por exemplo – especialmente depois que a crise dos refugiados começou – que a Europa Ocidental estava se movendo em uma nova direção perigosa para “redefinir sua essência”. Orbán está alarmado com o fato de muitos líderes europeus quererem impor a hiperdiversidade e o multiculturalismo patrocinados pelas autoridades em todos os países da UE.

“Nesta situação, nós, húngaros, podemos ver claramente a essência da nossa vocação europeia”, escreve ele. Esta missão não é outra senão a de “levar ao cerne dos valores europeus a tradição anticomunista sem concessões, colocando os crimes e consequências do socialismo internacional ao lado dos crimes e consequências do Nazismo”.

“Recusar a legítima defesa é, na prática, render-se; e o resultado será uma transformação civilizacional completa”, conclui Orbán.

Abaixo, leia na íntegra o artigo de Orbán publicado no jornal Magyar Nemzet:

Viktor Orbán: “Cumprindo nossa missão”

Nossas nações sentem o peso de sua responsabilidade no futuro da Europa

Ao longo da história da Europa Central, não foi apenas um papel, mas uma missão. A ocupação soviética obscureceu esse fato de nossa consciência até 1990. A solução moderna para nossa missão fundamental era incompreensível enquanto os soldados soviéticos estivessem estacionados em nossos países e nosso único desejo era nos libertar do Pacto de Varsóvia.

Nossas perspectivas foram também estreitadas e nossas forças desviadas pelo desejo de nos livrarmos dos comunistas e enviar as baionetas invasoras para onde elas pertencem. Levá-los o mais longe possível do poder governante e dos materiais educacionais de nossos filhos e netos como o erro histórico final de tentar construir um futuro sem valores nacionais e ensinamentos cristãos.

Nossos países estavam em um estado feliz, mas muito enfraquecido após a derrubada do comunismo e nossa libertação. Todos os nossos esforços foram consumidos pela sobrevivência, o desafio de uma enorme transformação e pelo estabelecimento de uma nova era viável em linha com os valores ocidentais. Mesmo assim, nosso coração ditou, mesmo em 1991, que nossos países – Polônia, Hungria e República Tcheca – deveriam ser unidos de alguma maneira. Sabíamos que os séculos iriam e viriam, mas o destino da comunidade da Europa Central permanece.

E, de fato, trinta anos depois, como membros da OTAN, reivindicamos a região mais dinâmica da União Europeia. Forte crescimento, baixo desemprego, rápida transformação digital, investimentos robustos. Isso é quem somos hoje.

A Europa Central

Os árduos debates na União sobre as migrações, a situação demográfica, o papel das famílias, o conflito entre a cultura nacional e o multiculturalismo voltam a chamar a nossa atenção para a missão histórica da Europa Central. Isso ainda existe? Em caso afirmativo, qual é sua forma moderna? E as perguntas mais candentes para nós, primeiros-ministros: pode a política fazer algo a respeito?

Segundo a percepção húngara, a Europa Central é composta pela área entre a Alemanha e a Rússia. É limitado a norte pelo Mar Báltico e ao sul pelo Adriático. E embora possa haver debate sobre as fronteiras exatas, os países V4, sem dúvida, constituem o núcleo da Europa Central.

Nós, húngaros, nunca acreditamos que simplesmente nascemos neste mundo. Se você nasceu húngaro, você tem uma missão. A sua missão vai além da sua pessoa e estende-se aos horizontes europeus. Também sabemos que só o podemos cumprir em conjunto com os outros povos da Europa Central. Porque nos territórios entre os mundos alemão e russo, que ficam na fronteira do cristianismo latino com a ortodoxia, onde muitas línguas e culturas nacionais se desenvolveram, existe uma qualidade cultural comum única – um modo de vida, uma mentalidade, uma postura característica.

A concepção húngara de nossa própria missão remonta ao Império Romano. Em nossa opinião, a Europa foi criada por povos que atacaram o Império Romano em momentos diferentes, independentemente uns dos outros. Essas nacionalidades construíram seus países sobre as ruínas do antigo Império Romano. Eles adotaram o cristianismo latino, mas não desistiram de suas culturas individuais; assim, várias ligas foram forjadas pelo martelo da história.

Com isso, nosso destino foi decidido; não apenas nasceram os Estados-nação, mas também as culturas nacionais. Um ideal, uma regra, uma ordenança nasceu de como a Europa deveria ser. Uma grande unidade intelectual com fundamentos culturais comuns, ideias e objetivos finais. Mas com membros separados e independentes conectados pela unidade da Europa. Todos são obrigados a servir a unidade intelectual e os objetivos europeus, mas não são obrigados a servir os interesses uns dos outros. A Europa está unificada na sua diversidade. Aqueles que atacam esta unidade são maus europeus, mas aqueles que procuram erradicar esta diversidade também são maus europeus.

Uma união de multidões e multidões unidas. Este é o segredo da Europa, seu fascínio; essa tensão dramática alimenta sua beleza e é sua essência mais íntima que não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do mundo. É por isso que os centro-europeus estão apaixonados pela Europa. Eles entendem que harmonia é a tensão e coesão dos opostos. Harmonia não significa uniformidade, nem massas indistinguíveis. Esta é a origem da missão de independência da Hungria e da Europa Central.

A proteção do espírito unificando nossas nações e a cultura cristã europeia de todos os ataques externos, bastiões e escudos externos, e protegendo nossa diversidade do inimigo interno com aspirações de hegemonia buscando superar nações independentes. Este tem sido o segredo e a condição da estabilidade europeia durante séculos. Isto é legítima defesa europeia, e era como se fosse esse o sentimento do Presidente francês quando pretendeu apresentar a Bruxelas a ideia de soberania europeia. Uma dupla estratégia de autodefesa para a unidade e diversidade europeias contra os inimigos externos e internos.

Ataques renovados de fora e tentativas imperialistas inflamadas de dentro. Esta foi a história política da Europa até o final da Segunda Guerra Mundial, quando nosso continente perdeu o direito e a oportunidade de seu próprio destino.

V4 e Europa

Em meados dos anos 2000, nós quatro entramos na União Europeia. Tínhamos novos horizontes, os debates sobre a natureza e o futuro da Europa tornaram-se os nossos debates. Outsiders [os de fora] tornaram-se insiders [de dentro] e, consequentemente, surgiu a questão: qual é a contribuição da Europa Central para o futuro europeu comum? No início, os experientes membros do clube 3 interpretaram nossos pensamentos que os prendiam especialmente sobre a pátria, o cristianismo, a família e a soberania como um folclore cultural e histórico. Eu acredito que eles consideraram isso algum fenômeno temporário que pode ter se originado de nossa chegada tardia, que eventualmente desapareceria como a catapora. Afinal, estamos todos caminhando na mesma direção e certamente queremos chegar lá. Este foi um pensamento confortável, não tirou ninguém de sua zona de conforto e, na verdade, tínhamos desafios profissionais suficientes naquela época com a crise financeira de 2008-2009.

Então, o choque aconteceu com a chegada da crise migratória. Os olhos foram abertos, o contraste intensificado e uma luz nítida foi lançada sobre as profundas diferenças de raciocínio, filosofias, princípios sociais e compromissos pessoais.

Nós, húngaros, compreendemos então que os discursos e escritos sobre a era pós-cristã e pós-nação não eram jornalismo sensacional, mas sim verdadeiras intenções políticas; na verdade, eles são o programa prático europeu, o futuro imaginado pelo Ocidente que eles já começaram a construir.

Percebemos que, enquanto sob o comunismo, os territórios soviéticos da Europa ansiavam por um estilo de vida cristão e soberano, os europeus na metade americanizada do continente redefiniram a essência da Europa e trabalharam consistentemente para implementar seu programa. Eles não viam a missão da Europa como contra ataques externos ao Cristianismo, nem como preservação da diversidade interna. Sua nova política europeia prioriza a abertura completa, a ausência de fronteiras – mesmo que apenas como um mal necessário temporário – sexos intercambiáveis ​​e modelos de família conforme desejado; o dever de preservação do patrimônio cultural é antes visto como uma tarefa dos museus. E o objetivo não é apenas inventar, criar, introduzir e tornar legalmente obrigatório nos seus próprios países – mas também torná-lo universal em todos os Estados-membros da União Europeia, incluindo os relutantes como nós.

A missão

Nesta situação europeia, é claro para os húngaros qual é a nossa missão europeia.

Trazer a firme tradição anticomunista para a abóbada comum europeia, para adicionar os pecados e lições do socialismo internacional aos pecados e lições do nacional-socialismo [nazismo]. Apresentar a beleza e a competitividade de uma ordem política e social baseada nos ensinamentos sociais cristãos. Para fazer compreender aos nossos amigos franceses que existe na Europa Central um modelo baseado nas Ensinanças e que independe de uma fé individual debilitada ou instável. Para manter a atenção das pessoas que vivem na Europa em segurança para as ameaças externas. Para lembrar que as ondas de gente no Mediterrâneo, que conhecemos bem pela história, estão a caminho de nós neste momento, e essas ondas podem quebrar-se até na Escandinávia.

As massas de migrantes que aparecem são, na verdade, ondas de migrantes que anseiam por uma vida europeia, contra a qual nossos ancestrais sempre se defenderam com dedicação. Não nos defender é, na verdade, rendição – resultando na transformação completa de nossa civilização, como os perímetros meridional e oriental da Europa e que os nossos vizinhos dos Bálcãs viram com seus próprios olhos.

E para nos lembrarmos que, qualquer que seja o construtor esclarecido de impérios, eles vão arruinar o espírito da Europa e, assim, sempre acabaremos com o resultado oposto.

Nós, os países do Visegrado, podemos divergir em algumas dessas questões difíceis e complicadas. Certamente, as ênfases filosóficas da história podem diferir, as simpatias e aversões nutridas em relação a outros países podem variar e, de fato, às vezes a interpretação das relações geopolíticas pode divergir.

Mas também é certo que as nossas nações sentem o peso da sua responsabilidade no futuro da Europa. Para se defender contra ataques externos e se defender contra tentativas internas de construção de impérios, para manter a independência de nossos países e nações.

Falhar em completar uma missão é heroico, mas não aprazível. Completar uma missão enquanto traz sucesso, liberdade e prosperidade ao seu país não é menos heroico, mas também aprazível. Em nome da minha nação, agradeço-lhes por estas três décadas de cooperação do Visegrado.

CATEGORIES
TAGS
Share This

COMMENTS

Wordpress (0)
Disqus ( )